Pular para o conteúdo principal

29 de agosto de 1825, Portugal reconhece a independência do Brasil

Após o grito às margens do Rio Ipiranga, Dom Pedro precisou negociar o reconhecimento da independência brasileira (Foto: Wikipedia)

No dia 29 de agosto de 1825, Portugal assinou o Tratado de Paz e Aliança, que reconheceu a independência do Brasil


Ouça este conteúdo0:0001:44
O dia oficial da independência do Brasil é 7 de setembro de 1822, mas na prática não foi bem assim que funcionou. Após o famoso grito de Dom Pedro I às margens do Rio Ipiranga, o imperador brasileiro precisou ganhar o reconhecimento das principais nações em relação à autonomia política do Brasil, o que foi conquistado somente no dia 29 de agosto de 1825.

Muitas províncias brasileiras se mantiveram aliadas a Portugal, entrando em conflito com o novo governo, o que precisou ser controlado. Após gerir os problemas internos, a administração de Dom Pedro I começou a buscar o aval das outras nações americanas. A primeira delas a apoiar o movimento foi os Estados Unidos, em 1824.

Porém, era ainda necessária a aceitação da antiga metrópole, Portugal. Nessa negociação, a Inglaterra teve um papel vital. Os britânicos atuaram como intermediários nas tratativas que culminaram na assinatura do Tratado de Paz e Aliança, no dia 29 de agosto de 1825, por meio do qual Portugal reconheceu a independência de sua antiga colônia após quase três anos.

O acordo foi prejudicial ao Brasil, pois estabelecia uma multa de dois milhões de libras esterlinas a ser paga à Portugal, dinheiro que o país não tinha. A Inglaterra emprestou a verba ao Brasil, porém o valor nem chegou a sair de Londres, pois os lusitanos tinham uma dívida de mesmo valor com os britânicos.

Fonte:
Andrade, Maria Ivone de Ornellas de. "O reino sob tormenta". In: Marques, João et alii. 
Estudos em homenagem a João Francisco Marques, Volume I. Universidade do Porto, sd, pp. 137-144
Ir para cima 
Valuguera, Alfonso B. de Mendoza Y Gómez de. "Carlismo y miguelismo". In: Gómez, Hipólito de la Torre & Vicente, António Pedro. España y Portugal. Estudios de Historia Contemporánea. Editorial Complutense, 1998, pp. 13-14
Ir para cima

GOMES, L. 1808: como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2007. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A revolução de 32 na alma paulista

Utilizando uma fala muito pertinente de Leandro Karnal, temos uma tradição de não chamar de “Guerra Civil” movimentos violentos que envolveram a história do Brasil. Falamos em revoltas, revoluções, insurgências e não lembramos do caráter do confronto como de mobilização civil e disputas bélicas entre habitantes de um mesmo país. Hoje, passados 87 do maior confronto armado em território brasileiro no século XX, as lembranças que se envolvem com 1932 são geralmente de caráter saudosista, civilista, patriótico, regionalista e, em certa medida, elitista, quando não utilizados como argumento para a soberania e independência de São Paulo. Acreditem: uma rápida pesquisa pelas redes sociais nos apresenta grupos de movimentos separatistas, muito bem engajados, dos mais radicais aos “constitucionais”, que pretendem, como os “bravos de 1932”, colocar São Paulo nos trilhos. Este tipo de movimento e a valorização de certos ideais (escolhidos) se confundem, muitas vezes, com o trabalho de pesquisa…

A morte de D. Pedro I e o fim de uma era

D. Pedro I morreu nos braços da imperatriz Amélia às 14h30 de 24 de setembro de 1834, faltando duas semanas para completar 36 anos. A autópsia revelou um quadro devastador, pois a tuberculose tinha consumido todo o pulmão esquerdo que foi inundado por um líquido negro. Apenas uma pequena porção da parte superior ainda funcionava. O coração e o fígado estavam hipertrofiados; ou seja, bem maiores do que o normal. Os rins apresentavam cor esbranquiçadas e o baço amolecido começava a se dissolver. Os transtornos físicos agravaram-se na guerra contra o irmão e, durante o “Cerco do Porto”, ele começou a sentir cansaço, irregularidade na respiração, palpitações e sobressaltos ao acordar. Um edema nos pés indicava problemas circulatórios, embora D. Pedro julgava-se um homem robusto e resistente. Porém, a verdade era outra, pois ele se alimentava mal, repousava pouquíssimo e gastava energias em excesso. Epilético desde a infância, sofria de deficiência renal e vomitava com frequência. Aventureiro…

Em 13 de setembro de 1987 tem início o acidente radioativo de Goiânia com o Césio-137

O acidente radiológico de Goiânia, amplamente conhecido como acidente com o césio-137, foi um grave episódio de contaminação por radioatividade ocorrido no Brasil. A contaminação teve início em 13 de setembro de 1987, quando um aparelho utilizado em radioterapias foi encontrado dentro de uma clínica abandonada, no centro de Goiânia, em Goiás.[1] Foi classificado como nível 5 (acidentes com consequências de longo alcance) na Escala Internacional de Acidentes Nucleares, que vai de zero a sete, em que o menor valor corresponde a um desvio, sem significação para segurança, enquanto no outro extremo estão localizados os acidentes graves. O instrumento foi encontrado por catadores de um ferro-velho do local, que entenderam tratar-se de sucata. Foi desmontado e repassado para terceiros, gerando um rastro de contaminação, o qual afetou seriamente a saúde de centenas de pessoas. O acidente com césio-137 foi o maior acidente radioativo do Brasil e o maior do mundo ocorrido fora das usinas nuclea…