Pular para o conteúdo principal

O Kasato Maru e o mito a "integração" pacífica.



18 de Junho de de 1908 é a data em que aporta o primeiro navio (Kasato Maru) com imigrantes japoneses em Santos, a história da comunidade nipônica no Brasil foi longe de pacifica.

Em 1902 o governo da Itália proibiu a imigração subsidiada de trabalhadores para o Brasil e com a subida do café se rediscutiu a questão dos imigrantes japoneses.

Os japoneses passam a ser aceitos mas olhados com desconfiança tanto pelas forças do governo por ferir o projeto de branqueamento como pela população no geral por sua cultura distinta.

Durante a II Guerra Mundial os japoneses serão proibidos pelo governo varguista de falar japonês em público, ensinar japonês as crianças, se reunir, manter correspondência com a família etc. Essa desconfiança alimentada com o "perigo amarelo" e a constante humilhação a comunidade nipônica ira gerar frutos violentos no inicio do pós-guerra.

Em Marília em 1942 ira se produzir um grande número de linchamentos de japoneses, uma organização japonesa de de ajuda mutua chamada "Pia" ira começar a tomar posições mais extremas devido ao ocorrido, um ex-coronel do exército japonês ira tomar posição de destaque e a transformar em uma organização de extrema-direita, Shindô Renmei, em apoio ao Império japonês, fazendo ações de sabotagem, principalmente na produção de seda que era usada na fabricação de paraquedas.

Em 1946 na cidade de Oswaldo Cruz (SP) um desentendimento entre um caminhoneiro nipo-brasileiro e um brasileiro por causa de uma ultrapassagem resultou em grupos de brasileiros linchando japoneses e queimando suas casas e comércios por toda a cidade.

Nesse contexto de pós-guerra a Shindô Renmei ira ganhar força se espalhando por SP e PR, acreditando que a derrota do Japão e principalmente a declaração do Imperado Hirohito de não ser um deus não passava de propaganda do governo, ela ira tomar uma postura mais violenta, mas não contra o governo brasileiro que os perseguia e sim contra outros japoneses que acreditavam nas notícias da guerra a quem chamavam de traidores e "corações sujos", a organização ira matar 23 pessoas e ferir 147 em tentativas de assassinato, a maioria membros da comunidade nipo-brasileira.

A perseguição a Shindô Renmei abriu inquérito policial e prisões preventivas as mais de mil japoneses, também se iniciou uma discussão para restringir novamente a imigração no país, alimentando a ideia de "perigo amarelo" e as vezes com a polícia se utilizando da desculpa rascista de "não da pra saber os que são fanáticos ou não, eles são todos iguais"

Fonte:

Arai, Jhony; Hirasaki, Cesar (2008). 2. Arigatô: A emocionante história dos Imigrantes Japoneses no Brasil 2º ed. ed. São Paulo: Editora JBC. p. 51. 321 páginas. ISBN 9788577870912


GOMES, Marcelo Abreu. Antes do Kasato Maru…Centenário da Colônia Agrícola Japonesa da Fazenda Santo Antônio. Conceição de Macabu: 2008..

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A revolução de 32 na alma paulista

Utilizando uma fala muito pertinente de Leandro Karnal, temos uma tradição de não chamar de “Guerra Civil” movimentos violentos que envolveram a história do Brasil. Falamos em revoltas, revoluções, insurgências e não lembramos do caráter do confronto como de mobilização civil e disputas bélicas entre habitantes de um mesmo país. Hoje, passados 87 do maior confronto armado em território brasileiro no século XX, as lembranças que se envolvem com 1932 são geralmente de caráter saudosista, civilista, patriótico, regionalista e, em certa medida, elitista, quando não utilizados como argumento para a soberania e independência de São Paulo. Acreditem: uma rápida pesquisa pelas redes sociais nos apresenta grupos de movimentos separatistas, muito bem engajados, dos mais radicais aos “constitucionais”, que pretendem, como os “bravos de 1932”, colocar São Paulo nos trilhos. Este tipo de movimento e a valorização de certos ideais (escolhidos) se confundem, muitas vezes, com o trabalho de pesquisa…

A morte de D. Pedro I e o fim de uma era

D. Pedro I morreu nos braços da imperatriz Amélia às 14h30 de 24 de setembro de 1834, faltando duas semanas para completar 36 anos. A autópsia revelou um quadro devastador, pois a tuberculose tinha consumido todo o pulmão esquerdo que foi inundado por um líquido negro. Apenas uma pequena porção da parte superior ainda funcionava. O coração e o fígado estavam hipertrofiados; ou seja, bem maiores do que o normal. Os rins apresentavam cor esbranquiçadas e o baço amolecido começava a se dissolver. Os transtornos físicos agravaram-se na guerra contra o irmão e, durante o “Cerco do Porto”, ele começou a sentir cansaço, irregularidade na respiração, palpitações e sobressaltos ao acordar. Um edema nos pés indicava problemas circulatórios, embora D. Pedro julgava-se um homem robusto e resistente. Porém, a verdade era outra, pois ele se alimentava mal, repousava pouquíssimo e gastava energias em excesso. Epilético desde a infância, sofria de deficiência renal e vomitava com frequência. Aventureiro…

Em 13 de setembro de 1987 tem início o acidente radioativo de Goiânia com o Césio-137

O acidente radiológico de Goiânia, amplamente conhecido como acidente com o césio-137, foi um grave episódio de contaminação por radioatividade ocorrido no Brasil. A contaminação teve início em 13 de setembro de 1987, quando um aparelho utilizado em radioterapias foi encontrado dentro de uma clínica abandonada, no centro de Goiânia, em Goiás.[1] Foi classificado como nível 5 (acidentes com consequências de longo alcance) na Escala Internacional de Acidentes Nucleares, que vai de zero a sete, em que o menor valor corresponde a um desvio, sem significação para segurança, enquanto no outro extremo estão localizados os acidentes graves. O instrumento foi encontrado por catadores de um ferro-velho do local, que entenderam tratar-se de sucata. Foi desmontado e repassado para terceiros, gerando um rastro de contaminação, o qual afetou seriamente a saúde de centenas de pessoas. O acidente com césio-137 foi o maior acidente radioativo do Brasil e o maior do mundo ocorrido fora das usinas nuclea…