Pular para o conteúdo principal

O nome do doce brigadeiro está ligada à história do Brasil


O brigadeiro é um doce típico da culinária brasileira, de origem paulista, o qual rapidamente se difundiu pelo resto do país, tornando-se comum em todo o país a sua presença em festas de aniversário, junto com doces como o cajuzinho e o beijinho. É conhecido também no Rio Grande do Sul pelo nome de negrinho.
A origem do nome "brigadeiro" é ligada à campanha presidencial do Brigadeiro Eduardo Gomes, candidato da UDN à Presidência da República em 1946.
Conforme relatam historiadores da alimentação, o nome seria uma homenagem ao brigadeiro Eduardo Gomes. Durante a candidatura do militar à presidência da República pela União Democrática Nacional, um grupo de mulheres paulistanas do bairro do Pacaembu que eram engajadas na campanha do candidato organizaram festas para promover sua candidatura. O doce teria sido criado por essas mulheres durante a primeira campanha do candidato à presidência, pela conservadora União Democrática Nacional, logo após a queda de Getúlio Vargas.
A guloseima, feita de leite condensado, manteiga, açúcar e chocolate em pó, inicialmente feita como uma forma de arrecadar fundos para a campanha, rapidamente ganhou popularidade e se espalhou pelo resto do país junto da campanha do Brigadeiro. Como as festas dos correligionários e cabos eleitorais eram muito disputadas pela população, estes logo começaram a chamar os amigos para irem comer o "docinho do brigadeiro". Com o tempo, o nome "brigadeiro" se tornou tão associado ao doce que o mesmo passou a ser conhecido apenas como "brigadeiro". Apesar do apoio recebido, Eduardo Gomes foi derrotado nas eleições, tendo a eleição sido vencida pelo então general Eurico Gaspar Dutra.
Tal versão é reforçada não só pelo contexto político da época (em que São Paulo, ainda com a memória recente da Revolução de 1932, tinha forte engajamento de sua população contra Getúlio Vargas e seu candidato, o General Dutra), mas também pelo próprio contexto econômico e material da época. Era justamente no Estado de São Paulo em que se encontravam as duas únicas fábricas brasileiras de leite condensado (as Fábricas da Nestlé em Araras e em São Paulo, fundadas em 1921), além de ser na cidade de São Paulo em que era fabricado o notório "Chocolate do Padre" (nome popular do chocolate citado em grande parte das receitas antigas do doce), o qual era produzido pela Fábrica Gardano (fundada na capital paulistana também em 1921, junto com a fábrica da Nestlé).
Conforme relata a historiadora da alimentação Daniela Ferreira, "as prescrições da receita sugerem que o brigadeiro foi criado em São Paulo, por conta da fábrica Gardano, fundada na capital paulistana em 1921, junto com a fábrica da Nestlé", o que efetivamente tornou materialmente possível a criação do mesmo no Estado de São Paulo.
Outras versões, aparentemente derivadas da história acima descrita e popularizadas nos anos 1980, narram histórias similares vinculando o doce à campanha de Eduardo Gomes, alterando no entanto a localidade da criação do doce e alegando que o mesmo foi criado por mulheres do Rio de Janeiro. Em uma dessas versões cita-se que Heloísa Nabuco, de tradicional família carioca que apoiava o brigadeiro, criou um tipo de doce, ligeiramente diferente da versão atual sendo feito com leite, ovos, manteiga, açúcar e chocolate, e o denominou com a patente do candidato preferido. Outras versões, também derivadas da história original, apontam também localidades em Minas Gerais.
Tal versão, no entanto, apresenta indícios de ter sido gerada posteriormente à criação do doce e de sua popularização, em vista de conflitar com outra versão da história, veiculada durante as eleições por opositores do Brigadeiro Eduardo Gomes, na qual se alegava que o doce se chamava "brigadeiro" por não conter ovos, o que segundo os mesmos seria uma referência maldosa a uma história de que Eduardo Gomes em 1922, ao ser baleado na virilha durante a Revolta dos 18 do Forte de Copacabana, havia perdido seus testículos. Como na versão da socialite Heloísa Nabuco o doce continha ovos, entende-se que as histórias são mutuamente excludentes.
No Rio Grande do Sul, ao contrário de no resto do país, o brigadeiro é popularmente conhecido pelo nome negrinho.
Tal fato, conforme é relatado nas memórias do político udenista catarinense Hercílio Deeke se deve também a razões políticas ligadas à candidatura de Eduardo Gomes. Segundo comenta o mesmo, o forte antagonismo político do caudilho gaúcho Getúlio Vargas - hegemônico na política gaúcha da época e forte opositor da candidatura de Eduardo Gomes - fez com que no Rio Grande do Sul o termo "brigadeiro" fosse pouco utilizado, usando-se em seu lugar o termo "negrinho" como um substituto "politicamente aceitável" para os meios de comunicação majoritariamente varguistas abertamente hostis ao candidato da UDN.


Fonte:

BELLUZZO, Rosa. São Paulo: memória e sabor. São Paulo: Ed. UNESP, 2009.

RAMOS, Regina Helena de Paiva. A cozinha paulista. São Paulo: Melhoramentos, 2000. ISBN 9788571398832

Origem do nome do doce brigadeiro está ligada à história do Brasil». Portal G1. Consultado em 6 de outubro de 2017.

ABRAHÃO, Fernando. "Delícias das sinhás – História e receitas culinárias da segunda metade do século 19 e início do século 20". São Paulo: Ed. Arte Escrita, 2008. ISBN 978-85-8805911-8

O doce brigadeiro». Revista Isto É. 18 de janeiro de 2012. Consultado em 6 de outubro de 2017.

Muito bem organizadas as manifestações no Dia da Paz. Diário de Cuiabá. Consultado em 7 de outubro de 2017.

Quando o leite condensado virou brigadeiro? - a história do doce mais famoso do Brasil. Essencia Stúdio. Consultado em 7 de outubro de 2017.

A origem histórica do doce de brigadeiro. História Digital. Consultado em 7 de outubro de 2017.

Viaro, Mário Eduardo. «O doce enigma do brigadeiro - Revista Língua Portuguesa. Revista Língua. Consultado em 7 de junho de 2012.

Folclore e Gastronomia Brasileira. Sites Google. Consultado em 7 de outubro de 2017.

DEEKE, Hercílio Artur Oscar. Meu legado na política. Blumenau: Sociedade Colonizadora Hanseática, 1966.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A revolução de 32 na alma paulista

Utilizando uma fala muito pertinente de Leandro Karnal, temos uma tradição de não chamar de “Guerra Civil” movimentos violentos que envolveram a história do Brasil. Falamos em revoltas, revoluções, insurgências e não lembramos do caráter do confronto como de mobilização civil e disputas bélicas entre habitantes de um mesmo país. Hoje, passados 87 do maior confronto armado em território brasileiro no século XX, as lembranças que se envolvem com 1932 são geralmente de caráter saudosista, civilista, patriótico, regionalista e, em certa medida, elitista, quando não utilizados como argumento para a soberania e independência de São Paulo. Acreditem: uma rápida pesquisa pelas redes sociais nos apresenta grupos de movimentos separatistas, muito bem engajados, dos mais radicais aos “constitucionais”, que pretendem, como os “bravos de 1932”, colocar São Paulo nos trilhos. Este tipo de movimento e a valorização de certos ideais (escolhidos) se confundem, muitas vezes, com o trabalho de pesquisa…

A morte de D. Pedro I e o fim de uma era

D. Pedro I morreu nos braços da imperatriz Amélia às 14h30 de 24 de setembro de 1834, faltando duas semanas para completar 36 anos. A autópsia revelou um quadro devastador, pois a tuberculose tinha consumido todo o pulmão esquerdo que foi inundado por um líquido negro. Apenas uma pequena porção da parte superior ainda funcionava. O coração e o fígado estavam hipertrofiados; ou seja, bem maiores do que o normal. Os rins apresentavam cor esbranquiçadas e o baço amolecido começava a se dissolver. Os transtornos físicos agravaram-se na guerra contra o irmão e, durante o “Cerco do Porto”, ele começou a sentir cansaço, irregularidade na respiração, palpitações e sobressaltos ao acordar. Um edema nos pés indicava problemas circulatórios, embora D. Pedro julgava-se um homem robusto e resistente. Porém, a verdade era outra, pois ele se alimentava mal, repousava pouquíssimo e gastava energias em excesso. Epilético desde a infância, sofria de deficiência renal e vomitava com frequência. Aventureiro…

Em 13 de setembro de 1987 tem início o acidente radioativo de Goiânia com o Césio-137

O acidente radiológico de Goiânia, amplamente conhecido como acidente com o césio-137, foi um grave episódio de contaminação por radioatividade ocorrido no Brasil. A contaminação teve início em 13 de setembro de 1987, quando um aparelho utilizado em radioterapias foi encontrado dentro de uma clínica abandonada, no centro de Goiânia, em Goiás.[1] Foi classificado como nível 5 (acidentes com consequências de longo alcance) na Escala Internacional de Acidentes Nucleares, que vai de zero a sete, em que o menor valor corresponde a um desvio, sem significação para segurança, enquanto no outro extremo estão localizados os acidentes graves. O instrumento foi encontrado por catadores de um ferro-velho do local, que entenderam tratar-se de sucata. Foi desmontado e repassado para terceiros, gerando um rastro de contaminação, o qual afetou seriamente a saúde de centenas de pessoas. O acidente com césio-137 foi o maior acidente radioativo do Brasil e o maior do mundo ocorrido fora das usinas nuclea…